Soccer team in a huddle

A transformação até a empresa ideal

29 de Junho de 2015 Por SAP Blogs 3

Há menos de uma década, as empresas debatiam em torno de problemáticas que hoje parecem já defasadas: a gestão de áreas distintas de negócios com sistemas diferentes; o uso de planilhas de cálculos para dar suporte a processos não contemplados pelo software; e o lançamento de produtos e serviços por decisão da própria empresa, sem levar em consideração a vontade dos clientes.

Nestes últimos anos, surgiram novas tecnologias que mudaram esse panorama por completo: a mobilidade, a nuvem, o big data e as redes sociais são alguns exemplos. Elas modificaram de forma radical a forma de fazer negócios.

A empresa ideal é aquela que produz oportunidades para aproveitá-las. Hoje, é possível fazer isso, ainda que os orçamentos sejam exíguos. Como? Através da simplificação.

No mundo das empresas, a simplificação pode ser aplicada a três elementos: aos processos, à forma de uso do software e à experiência do usuário.

Do ponto de vista dos processos, as empresas ideais são aquelas que conseguem simplificar suas operações em tempo real: todas sobre uma única plataforma que tenha o poder de tornar realidade essa premissa. Tomemos como exemplo o que ocorre na cidade de Buenos Aires, que sofre com inundações terríveis na temporada de chuvas – que ocasionam grandes perdas materiais e, ainda pior, de vidas humanas.  Hoje,  com a plataforma SAP HANA, o governo da cidade pode monitorar o sistema de saneamento das zonas mais sensíveis da cidade e saber, em tempo real, quais estão bloqueadas e quais necessitam de manutenção para providenciar suporte técnico. O resultado? Ruas mais limpas, nenhuma inundação e cidadãos mais seguros e felizes.

Quanto à forma de utilização do software, não é novidade que o mundo se dirige para a computação em nuvem. Um modelo que permite às organizações investir em inovação, a fonte que fará crescer o negócio. A consultoria IDC prevê que a nuvem crescerá, este ano, nada menos do que 50% na América Latina.

Em terceiro lugar, as empresas devem oferecer aos colaboradores a oportunidade de acessar qualquer informação ou aplicação de negócio a partir de qualquer dispositivo, de maneira simples, com apenas alguns cliques.  A indústria de saúde conseguiu posicionar-se rapidamente neste conceito e as razões são óbvias: a saúde não pode e nem deve esperar. Tomemos por exemplo os pacientes que sofrem de diabetes, uma doença em ascensão na América Latina. A Divisão de Diabetes da empresa farmacêutica Roche criou uma aplicação móvel baseada na plataforma na nuvem SAP HANA para que os médicos controlem o progresso de seus pacientes em seus tablets e em tempo real. Caso haja qualquer problema, o médico pode contatar o paciente, oferecendo maior segurança em seu tratamento.

A empresa que conseguir simplificar esses três pontos será mais eficiente. Os funcionários não se deixarão levar pela complexidade cotidiana e utilizarão seu tempo valioso para executar tarefas que impactem de verdade o cumprimento da estratégia do negócio.  Além disso, a empresa ideal libera recursos para inovar: o objetivo não é apenas manter o barco flutuando, mas fazer os ajustes necessários para ultrapassar os competidores.

A soma da eficiência e inovação, por outro lado, repercute em clientes mais satisfeitos com a experiência de contato com a companhia e, como consequência final, em maiores receitas. Porque a empresa ideal não acumula uma quantidade enorme de dados sobre seus clientes sem saber o que fazer com eles. Em vez disso, os utiliza para ofertar a cada consumidor uma experiência única e personalizada, para saber por qual canal, em que momento e em que lugar cada cliente quer interagir com ela.

Os negócios continuarão se transformando. A única forma de ingressar no próximo nível de competitividade é manter continuamente o espírito inovador. E, para isso, a receita é simplificar tudo para poder conseguir mais.

Rodolpho Cardenuto é Presidente da SAP América Latina

Tags: , , ,

Deixe uma resposta