Soccer team in a huddle

A tecnologia e o alto custo das lesões no esporte

14 de Agosto de 2015 Por SAP Notícias Brasil 8

Quando o craque Neymar foi carregado para fora do campo em uma maca durante a Copa do Mundo do ano passado, com uma vértebra fraturada causada por um chute nas costas, os companheiros de equipe e torcedores em todo o mundo ficaram horrorizados. O pior pesadelo de um jogador tinha se tornado realidade: o Brasil acabou perdendo o campeonato mundial e a lesão grave poderia ter encerrado a carreira do jogador ou até deixá-lo imobilizado para o resto da vida.

As lesões são comuns e podem custar caro

Qualquer pessoa familiarizada com o esporte sabe que jogadores de futebol ‘apostam tudo’ nos 90 minutos. Durante esse intervalo de tempo, eles sentem a pressão de torcedores, técnicos e gerentes da liga minuto a minuto, enquanto pés, articulações e ligamentos parecem levar uma surra brutal. Cada chute, corrida, giro, torção e colisão cobram seu preço.

O custo das lesões dos jogadores é surpreendentemente alto. O valor médio estimado das lesões nas quatro principais ligas de futebol profissional em 2015 foi de US$ 12,4 milhões por equipe. Estima-se que os times de futebol percam anualmente com lesões o equivalente a 10% – 30% dos salários dos jogadores.

Isso significa que mesmo uma pequena redução no número de lesões pode resultar em uma grande economia. Então, imagine se metade de todas as lesões esportivas profissionais pudessem ser evitadas! O valor economizado apenas pelas ligas masculinas seria superior a US$ 1 bilhão por ano! (veja o infográfico nos links: goo.gl/n7tpcZ  (inglês) e  goo.gl/LtgDO1 (espanhol).


Virando o jogo

Quando um jogador sofre uma lesão em campo, vários processos de recuperação são colocados em prática. A boa notícia é que muitas lesões podem ser evitadas se o risco for conhecido previamente e o atleta passar por programas de intervenção personalizada corretiva. Aqui é onde tecnologias como o Monitor de Risco de Lesões (Injury Risk Monitor – IRM) da SAP, atualmente uma solução na fase de prova de conceito, podem fazer a diferença.

Como funciona

Lesões podem acontecer por diversas razões, incluindo excesso de esforço físico, idade, técnica, falta de hidratação e até mesmo o clima. Ao identificar deficiências na preparação física, nas técnicas e na administração da carga de trabalho, o sistema IRM da SAP pretende destacar chances de lesão antes que ela aconteça.  Qualquer problema se torna um ponto crítico na ferramenta e pode ajudar a prever com maior precisão o risco de futuras lesões para o jogador. A solução também pode antever o risco de lesões semelhantes para outros jogadores nas mesmas circunstâncias.

O IRM leva em conta todos os dados relevantes do jogador, incluindo sessões de treinamento, testes de preparo físico, partidas, demografia e localização, e os aplica em uma fórmula matemática para encontrar o risco de lesões. Os dados são coletados por meio de dispositivos eletrônicos convencionais e de vestir – “wearable” e “não wearable”.

O risco de cada tipo de lesão para o jogador é calculado para que fisioterapeutas possam fazer simulações e adotar as medidas adequadas ou ações corretivas. Como a solução é executada sobre a plataforma de processamento de dados em tempo real, SAP HANA, é possível processar um número ilimitado de fatores e encontrar relações entre eles. Esse recurso fundamental ajuda os fisioterapeutas a entender rapidamente quais são as áreas problemáticas ou o que está influenciando o risco de lesão. O monitoramento do jogador durante as sessões de treinamento e a posterior definição do plano de remediação podem ser feitos em tempo real, com a rapidez necessária.

Em resumo, o IRM da SAP pode ajudar no monitoramento de jogadores como Neymar enquanto se recuperam de lesões, medindo como o quadro avança e fornecendo dados que colaborem para prevenir novos casos.

A grande diferença

Ao contrário de outras soluções no mercado que se baseiam em dados de sensores, o Injury Risk Monitor da SAP é executado sobre a SAP HANA, uma plataforma com uma ampla variedade de recursos que permitem ter uma visão holística de todos os dados pertinentes do atleta. O grande elemento diferenciador é o quadro de determinantes de riscos da ferramenta que gera um perfil personalizado para cada atleta, juntamente com a opção de definir programas de intervenção sob medida.

O IRM da SAP utiliza uma tecnologia IoT (Internet of Things) e está sendo desenvolvido em conjunto com clientes e parceiros. Quando o IRM encerrar sua fase de prova de conceito, o plano é incluí-la na solução SAP Sports One lançada no início deste ano – trata-se da primeira solução em nuvem específica para esportes executada sobre SAP HANA, que fornece uma plataforma unificada para gestão de equipes, planejamento de treinos, monitoramento de preparo físico, otimização de desempenho e identificação de talentos.

Neymar terá uma segunda chance na próxima Copa do Mundo? Ninguém sabe. Mas com tecnologias como a IRM o risco de lesões esportivas em todo o mundo pode ser muito reduzido, poupando dinheiro para as equipes, dor de cabeça para os torcedores e desgaste físico para os jogadores.

*Diretor sênior de Gestão de Produtos | Projetos Estratégicos e Inovação para Cientes da SAP

 Sobre Kasem Abotel:

Kasem Abotel  é um especialista sênior em tecnologia, com mestrado e doutorado em Engenharia Nuclear pela Universidade de Michigan (EUA), com de mais de 20 anos de experiência na indústria de software corporativo. Suas especialidades incluem Análise, Big Data e Experiência do Usuário. Em sua função atual como Diretor Sênior de Gestão de Produtos na equipe de Projetos Estratégicos e Inovação para Clientes (CISP) da SAP,  Abotel é responsável por atividades de Engajamento do Cliente, Definição da Solução e Go-to-Market na SAP CISP.

Foto: Shutterstock

Tags: , ,

Deixe uma resposta