Soccer team in a huddle

A transformação das instituições financeiras na Era Digital

7 de Junho de 2017 Por Ivy Leça 43

Grandes instituições financeiras, bancos e seguradoras historicamente cresceram com base em modelos de negócios conservadores. Com a chegada da Era Digital, esse modelo antes rentável está sendo ameaçado por novas tecnologias disruptivas, por um consumidor mais exigente e por modelos focados em uma nova concepção de economia.

Vivemos uma verdadeira revolução setorial, que começou com o internet banking e continua evoluindo com as fintechs, financiamentos coletivos, carteiras digitais e até robôs investidores.

O recente relatório Future of financial services, organizado pelo Fórum Econômico Mundial e realizado com mais de 100 especialistas da indústria, apresenta algumas práticas que os líderes inovadores do setor financeiro estão adotando para conquistar seu lugar nesse novo mercado.

Inovadores do setor financeiro estão automatizando processos manuais e repetitivos para liberar recursos para outros investimentos. Robôs conselheiros, por exemplo, utilizam métricas precisas para fazer simulações e demonstrar opções de investimento aos clientes, liberando assim os especialistas da empresa para outras funções mais complexas.

Empresas disruptivas como a Airbnb e a Uber mostraram que as empresas que conectam compradores e vendedores conseguem crescer exponencialmente, mantendo seus custos baixos. E isso movimenta o mercado criando novas oportunidades de negócio. Plataformas de crowdfunding, ou financiamento coletivo, conseguiram algo semelhante, criando a ponte entre projetos e pessoas que gostariam de financiá-los. O crowdfunding se tornou uma importante fonte de financiamento para pessoas físicas e mesmo para empresas em crescimento acelerado.

Os dados do cliente sempre foram o foco das decisões nas instituições financeiras: empréstimos são concedidos ou não com base na pontuação de crédito e exames de saúde complementares podem ser exigidos antes da emissão de uma apólice, por exemplo. Conforme pessoas e seus dispositivos se tornam mais interconectados, o acesso a novos tipos de dados se torna mais fácil e pode ser obtido em tempo real. Esse fluxo de informações abre um mundo de possibilidades para as instituições, permitindo que elas tomem decisões mais estratégicas e ofereçam produtos e serviços personalizados.

O mBank, o maior banco online e o quarto maior banco de varejo da Polônia, está antecipando demandas futuras de 4,5 milhões de clientes com soluções de análise preditiva, interpretando dados com precisão para entregar em tempo recorde uma experiência bancária verdadeiramente personalizada. Com a análise de dados o banco conseguiu melhorar rapidamente as taxas de resposta às campanhas de marketing: aumento de 400% da taxa de acerto para empréstimos não-hipotecários, 200% de aumento da taxa de sucesso para produtos de seguros e 250% de aumento da taxa de acerto para produtos de poupança.

Seguradoras de saúde nos EUA estão fornecendo gratuitamente aos seus clientes um rastreador de dados fitness portátil, um dispositivo através do qual a empresa consegue analisar os hábitos de saúde de seus assegurados. Ao identificar clientes sedentários, a empresa oferece descontos para incentivar os clientes a sair do sofá e praticar alguma atividade física, diminuindo seus riscos de saúde.

A transformação digital trouxe uma nova realidade para o mercado financeiro, na qual as instituições que souberem se adaptar poderão aproveitar os frutos dessas mudanças.

SAP no Ciab

A SAP está sempre à frente das transformações digitais do mercado financeiro, por isso estaremos no Ciab FEBRABAN, congresso referência na América Latina em tecnologia da informação para o setor financeiro, que este ano traz como tema principal o “Ser digital”. Para saber mais sobre o evento e participar junto com a SAP, acesse o site oficial e visite nosso stand.

Tags: , ,

Deixe uma resposta