Receitas da SAP no Ano de 2002: Margem Operacional melhora significativamente

January 30, 2003 by SAP News 0

Receitas do Ano Inteiro evoluem ligeiramente para €7.4 mil milhões
Empresa continua a ganhar quota de mercado global
SAP torna-se no maior fornecedor de aplicações de software empresarial nos Estados Unidos

LisboaA SAP AG, o fornecedor líder de soluções de software empresarial, anunciou hoje os seus resultados financeiros para o Quarto Trimestre de 2002 e para o Ano Inteiro de 2002, com o período em análise a terminar a 31 de Dezembro de 2002.

Ano Inteiro de 2002

No ano de 2002, os Resultados Operacionais, antes dos custos relacionados com os programas de compensação accionista e com as aquisições de material, cresceram 15%, para €1.7 mil milhões (contra €1.5 mil milhões em 2001). A Margem Operacional respectiva cresceu quase 3 pontos percentuais, para 22.7% (em 2001 tinha fixado-se nos 20%).

As Receitas Totais para o ano 2002 subiram 1% em relação ao ano anterior, para €7.4 mil milhões (€7.3 mil milhões em 2001). Considerando uma taxa constante de conversão de divisas, o crescimento correspondeu a 6%. As Receitas de Produto em 2002, que incluem as receitas de licenças e manutenção, foram de €4.7 mil milhões (€4.7 mil milhões em 2001), com as Receitas de Licenças a chegarem aos €2.3 mil milhões (€2.6 mil milhões em 2001), enquanto as Receitas de Manutenção chegaram aos €2.4 mil milhões (€2.1 mil milhões em 2001). As Receitas de Consultoria e de Formação fixaram-se nos €2.2 mil milhões (€2.1 mil milhões em 2001), e nos €414 milhões (€466 milhões em 2001), respectivamente.

Tendo por base as Receitas de Licenças, pode afirmar-se que a empresa ganhou uma relevante quota de mercado em 2002. A quota global da empresa (ver nota de rodapé 2), baseada nos dados anuais de Receitas de Licenças, evoluiu para 50% em 2002, o que representa um ganho de 9 pontos percentuais face aos 41% de quota de mercado garantidos em 2001.

Os Ganhos antes de Interesses, Taxas, Depreciação e Amortização (EBITDA), referentes ao ano 2002, situaram-se nos €1.8 mil milhões (contra €1.6 mil milhões em 2001).

Os Resultados Líquidos em 2002 atingiram os €509 milhões (€581 milhões em 2001) e os Ganhos por Acção (Earnings per Share) cifraram-se em €1.63 (€1.85 em 2001). Os Resultados Líquidos, excluindo os ganhos extraordinários, os custos de aquisição de material, o impacto da Commerce One e outros custos de investimentos minoritários, cresceram 21%, para €1.0 mil milhões (€851 milhões em 2001), com os Ganhos por Acção (Earnings per Share) a fixarem-se nos €3.29 (€2.70 em 2001).

Considerando todo o ano de 2002, a empresa gerou €1.4 mil milhões de ‘Cash Flow’ Livre (definido como ‘Cash Flow’ Operacional e excluindo Despesas de Capital), e deteve, a 31 de Dezembro de 2002, €1.2 mil milhões de activos líquidos.

Ainda em 2002, a empresa readquiriu €279 milhões de acções próprias. A SAP espera readquirir mais acções nos próximos meses, ao abrigo do seu programa de recompra, aprovado na reunião de accionistas de Maio de 2002. Como no passado, a SAP conduzirá esta operação de recompra dentro das leis e regulamentações em vigor, tendo especial cuidado para não provocar qualquer impacto sobre o valor das acções, como previsto nas leis alemãs.

No Ano Inteiro de 2002, as Receitas na região que compreende a Europa, Médio Oriente e África (EMEA) evoluíram 7%, para €4.1 mil milhões (€3.8 mil milhões em 2001). Apesar das preocupações relativas ao pouco animador contexto económico na Europa, a SAP continua a ter bons resultados. O desempenho da SAP no mercado de origem, a Alemanha, foi particularmente consistente, com as Receitas a crescerem 10% em relação a 2001. As Receitas na região das Américas desceram 8%, para €2.5 mil milhões (€2.7 mil milhões em 2001), ainda que, se considerarmos uma taxa constante de conversão de divisas, as Receitas nesta região tenham subido 2%. Apesar das receitas terem descido, a SAP está contente com este desempenho, que ultrapassa o alcançado pelos seus concorrentes naquela região. Para além disso, a SAP continua a ganhar quota de mercado nos Estados Unidos, mercado onde, e tendo por base as Receitas de Licenças, assumiu o lugar de maior fornecedor de aplicações de software empresarial. Na região Ásia-Pacífico (APA) assistiu-se a um crescimento de 2% nas Receitas, para €862 milhões (€841 milhões no ano anterior). Se considerarmos uma taxa constante de conversão de divisas, as receitas na APA evoluíram 9%, sustentadas pelo forte contributo do Japão, país em que as Receitas cresceram 22% (considerando uma taxa constante de conversão de divisas).

“O nosso sucesso perante as difíceis condições económicas de 2002 é demonstrativo da nossa capacidade para, uma vez mais, liderar e ganhar vantagem competitiva no sector do software empresarial. O sucesso da SAP fica a dever-se à nossa capacidade para interpretar as necessidades evolutivas dos clientes e para alavancar a tecnologia que fornece soluções de negócio reais e efectivas”, disse Hasso Plattner, Co-Presidente e CEO da SAP AG.

“Estamos contentes com o nosso desempenho – executámos bem apesar do ambiente incerto”, disse Henning Kagermann, Co-Presidente e CEO da SAP AG. “Continuamos a ganhar quota de mercado em regiões-chave e em áreas-chave. Melhorámos a nossa rentabilidade através da gestão de custos em gastos gerais e com terceiros, dando origem a uma organização mais esguia”.

Quarto Trimestre de 2002

As Receitas Totais referentes ao Quarto Trimestre de 2002 desceram 2%, para €2.28 mil milhões (€2.32 mil milhões em 2001). Se considerarmos uma taxa constante de conversão de divisas, as Receitas Totais de Quarto Trimestre cresceram 5% (comparadas com igual período de 2001).

“No Quarto Trimestre continuámos a assistir ao padrão que aponta no sentido de negócios de menor dimensão, mas com os clientes a assumirem compromissos maiores e mais estratégicos”, afirmou Henning Kagermann. “Acreditamos que estes compromissos são o resultado da vontade dos nossos clientes em assumir uma relação apenas com um parceiro em quem possam ‘confiar’, significando um parceiro que pode apresentar as soluções que vão ao encontro das suas necessidades críticas de negócio, um parceiro que exibe estabilidade financeira, um parceiro que continua a inovar e um parceiro que oferece uma solução completa combinada com sólidas soluções tecnológicas, serviços e manutenção”, conclui.

Os Resultados Líquidos para o Quarto Trimestre de 2002 atingiram os €474 milhões (€319 milhões em 2001) e os Ganhos por Acção (Earnings per Share) cifraram-se em €1.52 (€1.02 em 2001). Os Resultados Líquidos, excluindo os ganhos extraordinários, os custos de aquisição de material, o impacto da Commerce One e outros investimentos cresceram 19%, para €492 milhões (€413 milhões em 2001) e os Ganhos por Acção (Earnings per Share) fixaram-se em €1.58 (€1.31 em 2001).

No trimestre, as Receitas na região que compreende a Europa, Médio Oriente e África (EMEA) evoluíram 7%, para €1.3 mil milhões (€1.2 mil milhões em 2001). As Receitas na região das Américas desceram 17%, para €721 milhões (€864 milhões em 2001), ainda que, se considerarmos uma taxa constante de conversão de divisas, as Receitas nesta região tenham descido apenas 1%. Na região Ásia-Pacífico (APA) assistiu-se a um crescimento de 7% nas Vendas, para €265 milhões (€248 milhões no ano anterior). A uma taxa constante de conversão de divisas, no entanto, as Vendas na região APA cresceram 16%.

As Receitas de Produto no Quarto Trimestre foram de €1.6 mil milhões (€1.6 milhões em 2001), com as Receitas de Licenças a chegarem aos €958 milhões (€1.0 mil milhões em 2001) e as Receitas de Manutenção a fixarem-se nos €628 milhões (€573 milhões em 2001). As Receitas de Consultoria e de Formação fixaram-se nos €575 milhões (€572 milhões em 2001), e nos €92 milhões (€117 milhões em 2001), respectivamente. O número de empregados a 31 de Dezembro de 2002 era de 28.797, o que representa uma quebra de 112 funcionários face ao verificado a 30 de Setembro de 2002.

As Receitas de Software relacionadas com o mySAP CRM (Customer Relationship Management) alcançaram, aproximadamente, €205 milhões (5% acima dos €196 milhões de 2001), e representaram 21% do total de vendas de licenças. Por outro lado, as Receitas que dizem respeito ao mySAP SCM (Supply Chain Management) totalizaram cerca de €186 milhões (20% abaixo dos €232 milhões do ano anterior), e representaram 20% do total de vendas de licenças Estes valores incluem as receitas de contratos para soluções específicas, bem como os encaixes resultantes de contratos para soluções integradas.

Perspectivas

Apesar do ambiente político e económico prometer continuar imprevisível, a SAP espera continuar a ganhar quota de mercado e a aumentar a sua rentabilidade em 2003. Partindo de uma expectativa conservadora de crescimento das Receitas, da continuação da política de contenção de custos e considerando os tradicionais padrões sazonais de aquisição dos clientes, a empresa espera aumentar a sua Margem Operacional em 2003, excluindo os custos relacionados com os programas de compensação accionista e com as aquisições, em cerca de 1 ponto percentual, face a 2002. Em 2003, espera-se que os Ganhos por Acção (Earnings per Share), antes dos custos relacionados com os programas de compensação accionista e com as aquisições, andem num intervalo de €3.45 a €3.60 por acção.

Destaques de 2002

  • A SAP continua a ganhar quota de mercado, consolidando a sua posição enquanto fornecedor líder de soluções empresariais de software. Os maiores contratos assinados no Quarto Trimestre incluem a Hydro Québec, NASA, Scotts Company, e Unilever nas Américas; E.ON, Suez, Telefonica, e Zurich Kantonalbank na EMEA; e Asia Pulp & Paper, Ezaki Glico, Sankyo e Sharp na região APA.
     
  • A SAP apresentou os SAP xApps. Os clientes e parceiros da SAP, bem como os fornecedores independentes de software dispõem agora da mais recente geração de pacotes de aplicações compostas (conhecidas como SAP xApps), que se ‘interligam’ com um ambiente heterogéneo de Tecnologias de Informação já existente, de forma a criar novos processos de negócio, multi-funcionais.
     
  • A SAP colocou no mercado a mais recente versão do mySAP Customer Relationship Management (mySAP CRM), apresentando a primeira solução de CRM totalmente baseada num portal. A tecnologia de portal integrada com a solução de CRM da SAP permite aos utilizadores utilizar toda a gama de funções de CRM, ao mesmo tempo que comporta também informação intuitiva e baseada nas funções de cada utilizador.
  • A SAP disponibilizou ao mercado o R/3 Enterprise. O SAP R/3 Enterprise, a mais nova evolução do produto bandeira da SAP, o software de Enterprise Resource Planning, está já disponível em todos os mercados. O R/3 Enterprise garante aos clientes uma flexibilidade sem precedentes. Foi concebido com recurso às mais recentes tecnologias, incluindo o JAVA, ABAP, Infra-estrutura de Partilha e serviços de web, todas tecnologias abertas, que permitem aos clientes um maior grau de flexibilidade no ‘upgrade’ das suas soluções de negócio. A SAP entregou o SAP R/3 Enterprise em mais de 200 clientes, sendo que 19 estão já em produtivo. O primeiro cliente desta solução, o fornecedor de tecnologia de ponta alemão Preh-Werke, entrou em produtivo ao fim de apenas 8 semanas. Entre os outros clientes que participam nesta primeira fase estão a Nestlé, Sony UK, United Nations Children’s Fund e UNICEF.
     
  • A SAP ampliou o seu Executive Board. Shai Agassi foi nomeado para o Executive Board da SAP, assumindo a responsabilidade por uma nova área de negócio, orientada para a próxima geração de soluções colaborativas. Léo Apotheker foi igualmente nomeado presidente da Global Field Operations e membro do Executive Board da SAP.
     
  • A SAP realizou as suas conferência anuais de e-business SAPPHIRE em Lisboa, Orlando e Tóquio, atraindo mais de 25.500 pessoas. A SAP aproveitou esta ocasião para revelar novas soluções e inovações. Activamente mais de 140 empresas, demonstrando como e porquê recorrem às soluções SAP para resolver os seus problemas de negócio.
     

Notas de Rodapé
1) A quota de mercado nos Estados Unidos baseia-se nas referências de Vendas de Licenças da i2 Technologies, Inc., J.D. Edwards & Company, Oracle Corporation, Peoplesoft, Inc. e Siebel Systems, Inc. para o mercado dos Estados Unidos (alguns fornecedores recorrem a estimativas e não a dados concretos de venda de licenças); consultar também um artigo do Wall Street Journal (de 28 de Janeiro de 2003).
2) A quota de mercado a nível global baseia-se nas Receitas de Licenças da i2 Technologies, Inc., J.D. Edwards & Company, Oracle Corporation, Peoplesoft, Inc. e Siebel Systems, Inc.

Revenue by Region (in € millions)
SAP Group

  Revenue 4Q 2002 Revenue 4Q 2001 Change % Change
Total 2,275 2,315 -40 -2
– at constant currency rates       5
EMEA 1,289 1,203 86 7
– at constant currency rates       8
Asia Pacific 265 248 17 7
– at constant currency rates       16
Americas 721 864 -143 -17
– at constant currency rates       -1

Key figures at a glance (in € millions)
SAP Group

  4Q 2002 4Q 2001 Change % Change
Revenues 2,275 2,315 -40 -2
License revenues 958 1,030 -72 -7
Income Before Taxes 790 510 280 55
Net Income 474 319 155 49
Headcount, in FTE
(December 31)
28,797 28,410 387 1

Veja os resultados detalhados.

Tags: