Criar normas para consumerização reduz riscos legais