Soccer team in a huddle

Diretor de Supply Chain: o cargo executivo mais transformador no C-level

17 de Maio de 2016 Por Ivy Leça 108

Por Rodolfo Davariz

A experiência do cliente e comércio omnicanal vêm sendo os principais temas de negócios nos últimos anos, e por um bom motivo. Novas tecnologias, como os dispositivos móveis e as plataformas sociais, mudaram o comportamento do consumidor. Elas também tornaram viáveis às empresas novas maneiras de interagir com os clientes.

Porém, essas tecnologias móveis e sociais representam apenas uma parte do cenário, e possibilitam nos tornarmos centrados no cliente e nos diferenciarmos no mercado apenas até certo ponto.

Para competir na economia digital, as empresas estão descobrindo a necessidade de assumir uma mudança mais fundamental. E para alcançar isso, elas estão renovando o foco na Cadeia de Suprimentos estendida. 

A análise minuciosa desta questão tem realçado o perfil dos executivos da Cadeia de Suprimentos. Na verdade, várias empresas de destaque têm procurado pessoas com experiência em Cadeia de Suprimentos para conduzir a corporação – Tim Cook da Apple e Mary Barra da GM são só dois exemplos.

No entanto, mais organizações estão criando um novo cargo: Chief Supply Chain Officer – CSCO, ou simplesmente Diretor de Supply Chain. O CEO administra a empresa. O CFO detém o controle das finanças. Mas, atualmente, o CSCO pode ser considerado o cargo mais importante do nível executivo.

CSCOs para a centricidade no cliente

As empresas de bens de consumo estão entre as primeiras a instituir o cargo de CSCO. Em parte, porque essa indústria tomou a frente na busca por estratégias omnicanais. O segmento de varejo mudou drasticamente à medida que os consumidores adotaram as compras on-line e a entrega direta. As empresas de bens de consumo precisaram reestruturar suas cadeias de suprimentos com a rapidez, a visibilidade e a flexibilidade necessárias para atender múltiplos canais de modo consistente e efetivo.

Porém, a função de CSCO é estratégica para qualquer organização que pretenda estar focada no cliente. E, cada vez mais, isso vale para todo e qualquer fabricante. Nas indústrias de manufatura e de capital intensivo, o CSCO é, por vezes, chamado de Chief Operation Officer (COO), ou Diretor de Operações. Mas,…

Seja qual for sua denominação, as organizações precisam de alguém no nível executivo que seja responsável por todos os processos da Cadeia de Suprimentos estendida – da inovação de produtos à entrega destes.

Este nível de liderança é necessário, uma vez que os fabricantes precisam lidar com novos fatores da Cadeia de Suprimentos estendida. As estratégias omnicanais a tornam mais complexa. A necessidade de entregar produtos individualizados e de se tornar mais centrado no cliente significa que a cadeia de suprimentos deve ser mais rápida, mais inteligente e mais flexível.

Já não é suficiente fazer melhorias incrementais. Os CSCOs devem estar à frente para, de fato, transformar a cadeia de suprimentos. Por exemplo, eles precisam, continuamente, prever a demanda e, automaticamente, adaptar as alocações dos produtos em cada canal. Eles devem integrar os processos de transporte e armazenagem para viabilizar remessas do mesmo dia ou ainda dentro de uma hora.

Estendendo a corporação

Os CSCOs não estão somente revolucionando a cadeia de suprimentos, mas também transformando a organização e a sua postura competitiva. Uma das principais formas de fazê-lo é trazer novos talentos para a corporação.

Primeiramente, os novos processos e modelos de negócios da economia digital valorizam muito a análise de dados. As empresas precisam de cientistas de dados que saibam analisar grandes volumes de dados e interpretar os resultados com precisão.

Em segundo lugar, a nova ênfase na rapidez e na flexibilidade cria a necessidade de uma força de trabalho temporária maior. Especialmente no setor de manufatura e de armazenagem, as organizações dependerão da mão de obra temporária para responder à flutuação da demanda.

Em terceiro lugar, a manufatura e a armazenagem dependerão cada vez mais da automação, especialmente da robótica e da Internet das Coisas (IoT). Embora essas tecnologias substituam algumas competências, elas exigem novas habilidades para gerenciar processos digitalizados.

Todas essas mudanças começam no setor de manufatura e logística, que é da alçada do CSCO. Mas elas se estendem por toda a corporação, colocando o CSCO em uma posição que influencia o conjunto de competências de toda a organização.

Fatores essenciais, como produtos individualizados e centricidade no cliente, estão subvertendo as cadeias de suprimentos tradicionais. O mesmo está ocorrendo para o nível executivo. Um CSCO que saiba, como responder a este novo cenário, poderá transformar não só as suas redes de suprimentos e demanda, mas também toda a empresa e a sua posição competitiva no mercado.

Para mais informações sobre como responder a este novo cenário, acesse http://go.sap.com/solution/lob/supply-chain.html ou entre em contato conosco.

Este artigo foi originalmente publicado por Hans Thalbauer, Senior Vice President for SAP Extended Supply Chain Solutions em http://www.digitalistmag.com/digital-supply-networks/2016/03/15/chief-supply-chain-officer-most-transformative-executive-in-c-suite-04073705

Rodolfo Davariz é Business Development Manager na SAP para as Soluções da Cadeia de Suprimento estendida, que compreendem as soluções de Supply Chain, Logística, Engenharia/P&D, Manufatura, Gestão de Ativos e Sustentabilidade. Anteriormente, atuou como Senior Supply Chain Consultant e Enterprise Applications Architect, em empresas de diversos setores, como Bens de Consumo, Varejo, Manufatura, Distribuição e Óleo e Gás. Possui mestrado em Engenharia de Transportes pelo Instituto Militar de Engenharia, pós-graduação em Gestão Logística pelo Instituto COPPEAD da UFRJ e curso de extensão em Infraestrutura Logística pela NHTV Internationale Hogeschool Breda, na Holanda.

Tags: , , ,

Deixe uma resposta