Soccer team in a huddle

A mudança para a Energia: uma chamada para o sistema regulatório

24 de Maio de 2016 Por Ivy Leça 31

Por Shane Ellis

No artigo anterior falamos brevemente sobre como a visão do cliente a respeito de utilities, assim como a percepção de consumo de energia está mudando. Essa mudança nos dispositivos de autogeração, geração doméstica e as novas opções de armazenamento de energia colocou o setor de Utilities em uma situação difícil: como manter os clientes que desejam consumir energia mais barata e de baixo impacto ambiental. É aqui que os reguladores, especificamente as comissões de serviço público, podem ajudar nessa transição do modelo de negócios de Utilities.

Com a crescente demanda dos clientes por dispositivos eletrônicos eficientes, o crescente predomínio de sensores e monitoramento eletrônico (Internet das Coisas), bem como a demanda por energia limpa e renovável, houve uma nova pressão em Utility para apoiar o cliente em um ambiente em mudança. O modelo regulatório atual está aquém de abraçar a necessidade de mais agilidade em Utility.

Vou simplificar a interação, a fim de criar uma base para a discussão: Utilities recebe suas receitas das contas pagas pelos clientes, mas cujas taxas são decididas e aprovadas por uma comissão de serviços públicos. Assim, a receita é bem estável para Utility a menos que haja um crescimento populacional no território de serviço. A fim de investir em seu próprio negócio, as empresas de Utilities aumentam seu capital pedindo à comissão de serviços públicos que aumentem as taxas dos clientes. A comissão olha para a validade das melhorias de infraestrutura planejadas, juntamente com os níveis de satisfação do cliente de Utilities, e então decide se o setor pode levantar capital, aumentando as taxas dos clientes. Os clientes são mais cobrados, então uma empresa de Utilities pode tornar a energia mais eficiente, confiável e abundante, algo que o cliente demanda.

Mas é aqui que as coisas se complicam. O que acontece com a satisfação do cliente quando o setor eleva suas taxas? Ele vai ficar insatisfeito, é claro. O que acontece na próxima vez que as empresas pedirem um aumento nas taxas? Fica mais difícil para elas obter capital para melhorias de eficiência e infraestrutura, que também diminui a satisfação do cliente. Se você pegar essa estrutura e adicionar a isso a velocidade e agilidade em que a economia de energia está se movendo, uma empresa de utilities está de mãos atadas.

Essas estruturas regulatórias forçam as empresas de utilities a encontrar lucro na disciplina de economia de custo interno: o orçamento de operações e manutenção. Executar seu negócio com menos sobrecarga parece ser uma grande filosofia, e é. Mas o efeito adverso é que elas são menos propensas a investir capital em ganhos de eficiência interna, porque melhorar a eficiência não é sempre considerado um investimento de capital. Elas muitas vezes não são capazes de explicar a depreciação como fariam com um ativo, em um investimento em eficiência que atinge seu orçamento de funcionamento. Por exemplo, o investimento em tecnologia para ganhar eficiência operacional precisa ser amarrado a um ativo físico para ganhar valor de depreciação. Essa abordagem não funciona bem com serviços baseados em assinatura, como computação em nuvem, que pode impulsionar o valor real e eficiência dentro da organização. Então uma empresa de Utilities é menos propensa a investir internamente na melhoria da força de trabalho, tornando-a menos eficiente em longo prazo.

Um ponto de discussão e debate saudável seria solicitar à comissão de serviço público local uma taxa com base na eficiência de seus clientes. Parece contra intuitivo no começo, mas a taxa deve ser investida em geração renovável e otimização da rede. Isso dá a Utility uma noção do quão eficiente eles e seus clientes são, não uma relação conflituosa com a eficiência energética. Isso deve incentivar as empresas de Utilities, por meio da comissão local, a investir em geração de energia renovável com métricas auditáveis específicas. Essa taxa afetaria o consumidor negativamente no início, mas faria com que eles tivessem um maior incentivo para reduzir seu uso. Se o consumidor usar menos energia em casa, em seguida ele receberá uma redução de impostos federais diretamente quando essas métricas de eficiência forem atendidas para equilibrar o aumento da taxa. Esta abordagem requer uma forte participação Federal ou Estadual, mas a atual falta de estratégia coerente não é manter-se com as exigências de agilidade do mercado. Claro que essas são apenas algumas ideias sobre essa discussão. O ambiente energético hoje exige mais flexibilidade, não necessariamente menos regulamentação, mas uma regulamentação mais estratégica com o objetivo final sendo obter energia confiável, renovável e segura.

Tags: , ,

Deixe uma resposta