Soccer team in a huddle

Autismo no trabalho, inclusão e diversidade

5 de Abril de 2017 Por Ivy Leça 113

2 de abril é o Dia Mundial de Conscientização do Autismo. A data é marcada por ações para conscientizar as pessoas sobre o que realmente é o autismo, com o objetivo de diminuir o preconceito e a intolerância e incentivar a inclusão.

O autismo é uma condição neurológica permanente que apresenta diferentes tipos e níveis, por isso recebe o nome de “espectro autista”. Apesar da variação do nível de comprometimento cognitivo, os principais impactos observados ocorrem na interação social, na comunicação e na percepção de acontecimentos compartilhados.

Segundo dados da ONU, um em cada 68 indivíduos apresenta algum transtorno do espectro do autismo. Enquanto o autismo ganha visibilidade no mundo do entretenimento, com personagens autistas no novo filme dos Power Rangers e no jogo Overwatch, os autistas ainda lutam para conseguir reconhecimento no mercado de trabalho, mostrando que a condição não afeta sua produtividade e pode, na verdade, somar à diversidade da força de trabalho das empresas.

Se antes só as dificuldades das pessoas com autismo eram discutidas, atualmente são debatidas como suas habilidades associadas podem colaborar em diferentes funções. A maioria dos autistas apresenta uma ótima memória, grande atenção aos detalhes e facilidade para detectar erros e coisas fora do padrão, além de perseverança na realização de tarefas repetitivas.

“A possibilidade de oportunizar o desenvolvimento de habilidades únicas, gerando realização profissional e pessoal para os colegas autistas, é uma vantagem competitiva. Além disso, todos nós nos tornamos pessoas melhores ao conviver com estes colegas e apoiar inciativas como esta”, afirma Thais Catarino, líder do programa SAP Autism at Work no Brasil.

Autism at Work

Consciente da importância de incluir os autistas no mercado de trabalho e do potencial humano de uma força de trabalho diversificada, a SAP desenvolveu o programa SAP Autism at Work, que faz da neurodiversidade uma prioridade e busca promover iniciativas para a inclusão de pessoas com autismo em ambientes corporativos, inclusive, na força de trabalho da própria empresa.

Marcia Machado, desenvolvedora de software na SAP Labs Latin America, participa do programa e acredita que atuar em um ambiente de trabalho inclusivo faz toda a diferença. “Ser autista na SAP é encarado como uma vantagem, não só uma deficiência. As pessoas que trabalham aqui respeitam as diferenças e deixam o ambiente de trabalho perfeito”, ela conta.

O programa é uma iniciativa pioneira no mercado de tecnologia, e a expectativa é que ele cresça ainda mais e também inspire outras companhias. “A aceitação e engajamento ao programa têm sido crescentes e gratificantes. Iniciamos o programa Autism at Work na América Latina com uma contratação no final de 2015 no SAP Labs Latin America e iremos encerrar o ano de 2017 com 12 contratações, considerando Brasil e Argentina”, afirma Thais Catarino.

Com isso, esperamos que mais histórias de sucesso, como a da Marcia Machado, possam se repetir. “Iniciei no programa Autism at Work em novembro de 2015, recebendo todo o suporte necessário para fazer parte da SAP. O sentimento de pertencimento veio rápido, com apoio do time, da gerencia e do RH. Trabalhar aqui deixa meus dias mais leves, porque sei que minhas peculiaridades, minhas diferenças são aceitas e respeitadas. Eu posso ser eu mesma”, ela conclui.

Tags: , , ,

Deixe uma resposta