Soccer team in a huddle

Phelps e McDermott compartilham seus movimentos vencedores

11 de Agosto de 2017 Por Ivy Leça 170

Angela Schuller

Michael Phelps e o CEO da SAP, Bill McDermott, falam sobre liderança, propósito e por que “sacrifício” não é uma palavra ruim.

 

Depois de perder sua corrida contra um grande tubarão branco no domingo, Michael Phelps, o maior nadador do mundo, tweetou “Revanche? Na próxima vez… em água mais quente”. Embora esse tweet de poucas palavras não pretendesse ser uma metáfora para a abordagem de Phelps para seu sucesso, ele destaca seu compromisso de atingir seus objetivos com correções de curso e desafiar-se a fazer mais.

Aqui estão cinco pontos que Phelps e Bill McDermott discutiram durante uma sessão no Facebook live chamada The Winning Move.

Quando se trata de vencer, o talento natural só pode te levar até certo ponto

Olhando para as 28 medalhas olímpicas que Michael ganhou em sua carreira, as pessoas assumem que a vitória é fácil para ele. Mas a capacidade e o talento são apenas pontos de partida para fazer algo extraordinário. As pessoas que aproveitam e canalizam esse potencial para vencer começam a cada dia, têm objetivos claros em mente e estão determinadas a vê-los além. “Os grandes fazem coisas quando nem sempre querem fazer”, disse Phelps. “Não é sempre divertido, mas eu tive metas. Eu queria fazer algo especial, algo que [outras] pessoas nunca fizeram”.

E é essa habilidade de buscar objetivos, não importa o quão intangível possa ser, que atrai Bill. Ao identificar os jovens talentos, Bill disse que procura alguém que tenha um sonho, esteja focado nos detalhes e que deseje executar esse sonho com uma paixão implacável. “Pessoas que querem ser alguém – elas simplesmente têm algo dentro de si”, e acrescentou que quando alguém que “consegue tudo o que quer” está ajudando outros a alcançarem seus objetivos, o sucesso é muito mais emocionante. Para Bill, a melhor coisa sobre ser um líder natural é “você ser apenas você”.

Atreva-se a fazer melhor

Como dono de uma pequena empresa na adolescência, Bill compartilhou que a parte mais difícil era garantir que estava entregando aos clientes o que eles queriam. Claro, ele forneceu serviço de entrega a idosos e estocou os itens que ele sabia que seus clientes queriam, mas seu principal objetivo era trazer clientes que eram muito parecidos com ele – adolescentes que queriam algo para comer e algum lugar para jogar videogames. E, enquanto seu maior concorrente oferecia essa experiência, Bill fez algo radicalmente diferente: ele não limitou o número de crianças permitidas em sua loja em qualquer momento como outros fizeram. “O pequeno tem que fazer o que o grande não faria”, disse Bill. “Você deve tocar nessa zona humana”.

E enquanto ele conseguiu alcançar esse objetivo intermediário, ficou claro para Bill que o sucesso do seu negócio permitiu que ele cumprisse seus maiores objetivos aspiracionais no momento: fazer algo, pagar pela sua educação e passar para a próxima grande etapa em sua carreira. “Quando suas costas estão contra a parede, você descobre quem você realmente é”, disse Bill.

A marca de um verdadeiro líder? Seja acessível

Phelps descobriu quem ele realmente era nas últimas Olimpíadas, um evento em que ele diz que estava “totalmente comprometido” em tudo o que estava fazendo pela primeira vez. Para ele, foi descobrir que ele gostava de ser parte de uma equipe e ver o esporte crescer. Phelps foi ensinado quando jovem a escrever seus objetivos e colocá-los em um lugar onde poderia vê-los, e trabalhar neles, todos os dias, e ele compartilhou o que aprendeu ao longo dos anos com aqueles nadadores novatos. “Eu me aproximei e conversei com cada atleta”, disse Phelps. “Eu queria virar a página e ajudar esses caras”. Naqueles dias juntos, Phelps foi capaz de assumir um papel de liderança, ajudar a equipe a identificar suas forças e, o mais importante, canalizar a acessibilidade necessária para fazer essas duas coisas efetivamente.

Para Bill, quando você é encarregado de motivar 87 mil funcionários a trabalhar no mesmo plano de jogo, a acessibilidade é vital. Durante sua carreira, ele aprendeu a alcançar uma pessoa por vez e ser claro ao compartilhar uma visão clara para a empresa. “Um grande líder deve ao seu povo uma ótima estratégia”, disse Bill. “Não importa o quão rápido você nade, fale… nunca chegará lá sem isso [uma visão clara]”.

Além de uma ótima estratégia, Bill insistiu que você também deve cercar-se de pessoas que têm ótimas ideias para ajudá-lo a moldá-la. Se as pessoas são encorajadas a compartilhar suas ideias sobre como ser inovadoras, elas estarão mais comprometidas em tirá-las do papel e fazer ajustes se algo não estiver correto. “Mesmo se você tomar uma decisão ruim, essas são as pessoas que vão lutar para corrigir isso”, disse Bill.

Eles vão se lembrar de como você se levantou, não de como você caiu

A liderança nem sempre é sobre ser forte quando as coisas estão indo no seu caminho. Trata-se de descobrir como se afastar quando obstáculos incríveis surgirem. Em 2015, Bill enfrentou uma lesão que ameaçou sua vida e testou sua vontade de continuar avançando. Recontando os acontecimentos da noite, ele compartilhou que sua mente estava dizendo a ele que ele tinha feito o suficiente, que não havia problema em desistir. Mas Bill conseguiu acalmar essas vozes e encontrar a força de vontade para se reerguer quando pensou nas coisas que ele trabalhou tanto para conseguir em sua vida. “Todo mundo é atingido por seu raio. Eu não desisti… e nunca desistirei”, disse Bill. “As pessoas cairão por muitas razões, mas ninguém nunca se lembrará de como você caiu, mas sempre se lembrarão de como você se levantou”.

Em 2014, Michael estava em uma posição semelhante, relatando um ponto de virada que roubou seu desejo de viver. Ele tinha que descobrir quem ele era além de um nadador, e passou cinco dias em seu quarto tentando sair da escuridão. “Não há problema em não estar bem”, disse Michael. “Eu peguei o touro pelos chifres e estendi minha mão para pedir ajuda. Eu não fiz isso sozinho”.

Falha significa tentar de novo

Para Michael, o fracasso não significa desistir – significa descobrir um novo plano de jogo. Ao longo de sua carreira, Michael falhou com frequência, mas isso o ajudou a descobrir o que precisava fazer melhor para que ele pudesse tentar novamente. Isso significava ir à piscina todos os dias, 365 dias por ano, durante cinco anos para garantir que ele estivesse trazendo o seu melhor para o esporte. “Sacrifício é uma palavra assustadora para as pessoas”, disse Michael. “Para fazer coisas excelentes… você tem que se sentir desconfortável.”

Definir metas, ser acessível e encontrar maneiras de se afastar nos tempos de crise: estes são os movimentos vencedores que dois líderes muito diferentes abraçam em seus caminhos para fazer a próxima grande coisa.

Assista esta sessão aqui.

 

Angela Schuller é líder editorial para regional News na América do Norte e membro da equipe de Comunicação da América do Norte.

Tags: , , , ,

Deixe uma resposta