Cryptocurrency – um guia sobre as criptomoedas

Blockchain, bitcoins, algoritmos de mineração, criptomoedas, cryptocurrency, você certamente já deve ter ouvido alguns desses termos nos últimos anos.

Este ano em especial tem sido favorável para o crescimento das moedas digitais no mercado. Só o bitcoin, moeda mais popular do setor, cresceu cerca de 400% em 2017, batendo recordes de valorização. Em outubro, a moeda superou a marca de US$ 5.200, impulsionada pelas especulações de que, nos próximos meses, a China possa licenciar plataformas de criptomoedas.

Para ajudá-lo a entender melhor o universo e o potencial das criptomoedas, desenvolvemos um guia com os principais termos e temas sobre o assunto.

Bitcoin

É considerada a primeira moeda virtual ou criptomoeda, criada em 2009. É a moeda virtual mais famosa do mercado, e permite a realização de transações financeiras sem qualquer intermediário.

Blockchain

Blockchain é a tecnologia por trás das criptomoedas, responsável por fazer o registro das transações. O grande diferencial é que essa tecnologia descentraliza as informações, distribuindo os dados entre bases de registros compartilhados. Ao manter os dados de forma pública, compartilhada e universal, sem o intermédio de terceiros, a tecnologia ajuda a criar uma relação consensual e confiável entre as partes da transação. Para saber mais sobre essa tecnologia, confira o infográfico.

Criptomoedas

São as moedas digitais que usam a tecnologia blockchain e trabalham em uma base peer-to-peer. Como as criptomoedas utilizam blockchain, elas não precisam de bancos ou instituições financeiras para operar. A rede criptográfica registra todas as transações, garantindo a segurança das partes envolvidas.

Mineração

O termo “minerar” no setor de cryptocurrency significa produzir mais unidades de moedas digitais, criando novos registros através de processamento. Esse processo é lento, complexo e requer esforço e poder de computação para garantir o controle sobre a quantidade de moedas no mercado e sua valorização.

As pessoas que fazem mineração de criptomoedas, os mineradores, recebem um subsídio por novas moedas criadas. O objetivo é distribuir a moeda digital de maneira descentralizada e incentivar que essa comunidade se dedique a garantir segurança ao sistema.

Peer-to-peer (P2P)

Esse termo se refere a um tipo de arquitetura de dados em que cada ponto da rede funciona tanto como cliente quanto como servidor. Em uma transação bancária tradicional, quando um usuário envia um valor para outro, todo esse processo é executado pelo banco. No caso de um pagamento P2P, a tecnologia faz a intermediação no lugar de terceiros, e os usuários lidam diretamente um com o outro.

Privacidade e anonimato

Um dos principais pontos levantados sobre as criptomoedas é a segurança e privacidade dos dados dos usuários. É importante entender que todas as transações com criptomoedas são feitas por meio de blockchain, que é um livro público, portanto as informações são armazenadas publicamente e permanentemente na rede. Qualquer um pode ver o balanço e as transações, porém, a identidade do proprietário é privada.

Para acompanhar as principais novidades sobre a Economia Digital, siga e interaja com a SAP nas redes sociais: Facebook / Twitter / Instagram / LinkedIn. Aproveite e assine nosso canal no WhatsApp e receba diariamente conteúdo relevante para o seu negócio.