O que um Sistema Nervoso Digital pode fazer pelo seu negócio?

Por Renato Santos *

Este é o primeiro artigo de uma série de conteúdos sobre por que a digitalização é essencial e como os empresários podem modernizar seus negócios e prepará-los para os desafios de um ambiente econômico cada vez mais desafiador, com concorrência cada vez mais agressiva e surpreendente.

Para começarmos, quero apresentar o conceito de “sistema nervoso digital”. Você sabe o que isso significa?

O que é um “sistema nervoso digital”?

No corpo humano, o sistema nervoso armazena e centraliza todos os comandos do nosso cérebro, distribuindo estas ordens para serem executadas de forma alinhada. O digital funciona de forma semelhante, mas dentro de um negócio. Ou seja, o Sistema Nervoso Digital é o cérebro da empresa, que centraliza dados e gerencia o que cada setor deve fazer.

A expressão foi popularizada pelo bilionário americano Bill Gates em 1999, enquanto ainda era CEO e líder de negócios e antes de se tornar filantropo integral, ao publicar seu livro Business @ the Speed of Thought – Using a Digital Nervous System. No livro, Gates destaca o uso de sistemas integrados de informações para suporte aos processos e decisões de negócios em companhias de grande porte (o único exemplo brasileiro no livro era o Bradesco, então maior banco da América Latina e uma das 500 maiores empresas do mundo no ranking Fortune 500).

Desde então, vamos a quase 20 anos do lançamento desse célebre livro; muito da visão expressa por Gates se concretizou – algumas previsões se mostraram equivocadas e outras já são parte da história, tendo sido rapidamente ultrapassadas. Entre as previsões certeiras estava a de que as empresas, cada vez mais, trabalhariam com processos automatizados e liberariam seu pessoal das atividades desconectadas do cerne do negócio.

O que Gates não previu é que também as atividades-chave (o “core business”) seriam impactadas, e que não só as grandes corporações se beneficiariam dos sistemas nervosos digitais, mas também empresas de menor porte – o tamanho, como o tempo mostrou, há muito deixou de ser a chave para definir se uma empresa precisa ou não de um ERP (sigla de “Enterprise Resource Planning”, software que dá vida ao sistema nervoso digital em qualquer negócio).

Assim, possuem sistemas nervosos digitais as empresas que automatizam de forma integrada seus principais processos de negócios (finanças, recursos humanos, suprimentos e produção, marketing e vendas etc.), e o ERP é a solução mais utilizada para tangibilizar este tipo de integração.

No próximo artigo, vamos falar sobre os benefícios de um sistema digital na automatização de processos, como começar e que empresas se beneficiam com o uso de ERP. Gostou do artigo? Compartilhe sua opinião nas redes sociais da SAP: Facebook /Twitter/Instagram/LinkedIn.

(*) Renato Santos é consultor internacional (UNCTAD, IFC, World Bank e no Brasil, SEBRAE, BNDES e CNI), palestrante e empresário.