A revolução dos wearables no mundo dos eventos

O mercado global de wearables vem mostrando uma trajetória crescente, segundo uma recente pesquisa da IDC. O levantamento revelou um crescimento de 7,7% no quarto trimestre de 2017 em relação ao ano anterior. Segundo a IDC, em 2017 as vendas de wearables atingiram 115,4 milhões de unidades, totalizando um aumento de 10,3% em relação a 2016.

Com esse crescimento evidente, organizadores de eventos estão investindo cada vez mais nessa tecnologia para criar experiências únicas e aprimorar a gestão de seus eventos. Grandes festivais de música, como Lollapalooza, e campeonatos esportivos de grande porte estão buscando formas de aproveitar a tecnologia.

Os wearables podem ser utilizados para transformar o público de grandes eventos em participantes ativos. Uma pulseira colocada no braço de cada participante na entrada de um show, por exemplo, pode fornecer uma infinidade de dados em tempo real sobre as reações da pessoa a cada momento do espetáculo. Isso pode ajudar a definir quais os momentos mais interessantes da apresentação e indicar que tipo de interação faz o coração do público literalmente bater mais forte.

Os dispositivos wearables permitem que os organizadores acompanhem a execução do evento em tempo real, além de aumentarem a interatividade com o público, gerando maior engajamento. Eles também fornecem informações relevantes para os idealizadores e patrocinadores dos eventos, que terão dados importantes para a criação de uma estratégia de marketing personalizada para atingir seu público alvo e maior controle na realização de eventos voltados para um número elevado de pessoas.

Também é possível criar experiências imersivas diversas. Uma pulseira pode servir como um cartão de visitas, que troca dados de contato com o colega ao lado, mas também pode vibrar, acender luzes ou emitir sons em harmonia com o espetáculo, levando a interação entre o público a outro nível. A banda britânica Coldplay já está usando pulseiras desta forma para criar uma experiência imersiva em seus shows.

A emissão de bilhetes em grandes eventos também está sendo transformada com o uso de wearables. Um dispositivo ligado ao pulso ou pendurado no pescoço pode simplificar muito esse procedimento, eliminando a verificação por código de barras, facilitando o check-in, dando fim às longas filas e reduzindo o tempo de espera.

Pensando em segurança, a tecnologia também pode ser utilizada em jogos de futebol ou eventos com grandes aglomerações, monitorando a movimentação dos participantes pelos setores do evento, facilitando o controle de entrada e saída dos torcedores e contribuindo para a segurança através de um sistema de análise de dados implantado nos estádios.

Além disso, especialistas no assunto acreditam que, nos próximos anos, os wearables serão cada vez mais comuns no nosso dia a dia, podendo ser utilizados em diversos campos e segmentos. Os mesmos afirmam que o biohacking será o próximo passo dos wearables, auxiliando na qualidade de vida das pessoas e impactando de forma extremamente positiva na área da saúde e bem-estar.