Bens de consumo, iniciando o caminho para a manufatura do futuro

Estudos da IDC mostram que o ERP é uma das principais prioridades de tecnologia de empresas brasileiras dedicadas aos bens de consumo.

Por: Enrique Phun, analista sênior de Cloud para a IDC Latinoamérica

Jerónimo Piña, Gerente de Pesquisa de Software e Nuvem, para a IDC Latinoamérica

Luciano Ramos, Research and Consulting Manager para a IDC Latinoamérica

O setor de bens de consumo, que inclui itens como alimentos e bebidas, saúde e higiene, vestuário, calçado, eletrodomésticos e computadores pessoais, entre outros, é um dos que enfrentam importantes desafios, tais como o baixo crescimento, redução de margens de lucro e transformação do modelo de negócios.

Por esse motivo, entre suas prioridades estão: otimizar seus recursos, migrar para sistemas “Lean” e de Indústria 4.0, saber em tempo real o status das entregas, melhorar a estratégia de colaboração com sua cadeia de fornecedores e parceiros–como o varejo–e desenvolver uma estratégia de mídia social com os consumidores finais. Tudo isso aliado à necessidade de promover o comércio eletrônico e inovar seus produtos e serviços.

Para alcançar essas mudanças, as empresas no Brasil, especialmente as empresas de médio porte, precisam de um ERP inteligente (i-ERP) como base de sua transformação digital para automatizar e integrar os processos administrativos e de produção e centralizar todas as informações da organização em tempo real.

De acordo com estudos da IDC, o ERP é uma das principais prioridades de tecnologia de empresas brasileiras dedicadas aos bens de consumo, logo atrás das soluções analíticas, e seguida por questões de mobilidade, entre outras.

O papel do i-ERP em empresas de manufatura de médio porte no Brasil

Por ser um sistema na nuvem, o i-ERP ajuda as empresas a aumentar suas funcionalidades, de acordo com as prioridades do negócio, com modelos de adoção mais rápidos e custos mais baixos em comparação aos sistemas tradicionais.

Por exemplo, nas áreas de produção, o sistema possui recursos de aprendizado automático (Machine Learning, ou ML) que aumentam a precisão de seus processos, reduzem o consumo de matérias-primas e melhoram a qualidade de seus produtos, entre outros benefícios.

Em logística, com o apoio de soluções de Internet das Coisas (IoT), o i-ERP melhora o controle de estoque e ajuda na integração de aplicações para o planejamento de rota eficiente e correção de falhas e perdas, especialmente em relação a produtos perecíveis e congelados.

As capacidades analíticas, de ML e de inteligência artificial (IA) tornam mais fácil para as empresas detectar mudanças oriundas do ambiente econômico, tendências e ciclos de mercado, ou ainda mudanças nos hábitos de consumo, entre outros elementos, melhorando assim a tomada de decisão.

Esses recursos de análise também geram dados-chaves para ajustar a produção e a geração de campanhas de marketing e redes sociais, a fim de responder às necessidades e gostos de diferentes gerações de clientes–como “Baby Boomers”, que procuram bem-estar, produtos duráveis e marcas conhecidas; os membros da “Geração X”, que são céticos em relação à publicidade, preferem preços baixos e produtos funcionais; os “Millennials”, interessados em produtos sustentáveis e saudáveis, ou a “Geração Z”, ávidos por experiências contínuas, emocionantes e surpreendentes.

As ferramentas de comunicação e colaboração do i-ERP também ajudam a melhorar a integração de todas as áreas de negócio e permitem a troca de informações em toda a cadeia, o que possibilita simplificar a gestão dos recursos, fazer ajustes em tempo real e reduzir tempos de produção. A IDC estima que até o final de 2018, metade das manufaturas no Brasil e na América Latina usarão analítica, Internet das Coisas e colaboração social para estender o processo de planejamento integrado para toda a empresa e em tempo real.

Em 2019, estima-se que 15% da indústria de manufatura irá gerenciar processos de produção e a cadeia de suprimentos por meio do uso intensivo de dados, tirando proveito de modelos de execução baseados em nuvem para análise e visualização em tempo real, com o objetivo de tornar sua operação mais flexível.

Com este último blog, a IDC conclui sua participação nesta série sobre a importância estratégica do i-ERP, onde destacamos suas vantagens, não somente para a área de Tecnologia da Informação (TI), mas de maneira geral para todo o negócio, com ênfase nas áreas de produção, recursos humanos e marketing.

Falamos sobre os benefícios que as organizações alcançam por meio da automação de processos administrativos, produtivos e da cadeia de suprimentos, bem como os novos recursos disponíveis nesses sistemas para colaboração e gerenciamento das relações com clientes. Também analisamos o potencial de IA, ML e ferramentas analíticas.

Também destacamos a importância da exploração de dados para detectar tendências no ciclo de produção das organizações, incluindo mudanças no mercado e nos consumidores finais, de modo que a empresa possa reagir a tempo e ser mais flexível.

Capacidades essas que estendem seu valor para o negócio e sua transformação digital ao promover o uso de tecnologias disruptivas, como Internet das Coisas e impressão 3D para acelerar a transformação da manufatura e dos serviços profissionais rumo às tendências mais ágeis e inteligentes.
A mudança é inevitável… Sua empresa já começou?

  

Acesse as redes sociais da SAP: Facebook Twitter LinkedIn Instagram / WhatsApp

© 2018 SAP SE. All rights reserved. SAP and other SAP products and services mentioned herein as well as their respective logos are trademarks or registered trademarks of SAP SE in Germany and other countries. Please see http://www.sap.com/corporate-en/legal/copyright/index.epx#trademark for additional trademark information and notices.