Resiliência da cadeia de suprimentos em tempos de ruptura: uma visão da América Latina

Por: Juan Cartier

Eu sempre morei na América Latina e, ao longo da minha carreira, passei bastante tempo focando-me em gestão da cadeia de suprimentos. Na minha opinião, o fator mais importante que ajudou as empresas na região a sobreviver à pandemia do coronavírus até agora foi, sem dúvidas, a resiliência da cadeia de suprimentos.

A experiência aqui foi diferente de muitas outras regiões do mundo. Por um lado, a América Latina teve o benefício de ver o vírus chegando de fora. Nós assistimos a propagação pela Europa e Estados Unidos antes de vir para cá – dando-nos um certo tempo para entender o que era, antecipar a reação e preparar os próximos passos.

Por outro lado, a América Latina é composta por muitos países – todos com diferentes respostas à crise. A maioria fechou suas fronteiras – significativamente, se não totalmente -, interrompendo assim as cadeias de suprimentos em plena operação. Em resposta, as empresas tiveram de ser criativas. E o meio para essa criatividade toda tem sido as cadeias de suprimentos resilientes.

Mas o que significa resiliência?

Defino a resiliência da cadeia de suprimentos diretamente como a capacidade dos seus participantes em responder à mudança. Para os varejistas da América Latina, como em outros lugares, tudo começa com o consumidor, por exemplo.

Até agora, não é novidade que as preferências do consumidor mudaram drasticamente em resposta ao Covid. Hoje, o foco está nas mercadorias essenciais: itens como alimentos básicos, desinfetantes e, é claro, vinho. A demanda por itens de luxo caiu vertiginosamente. Os hábitos de compra também mudaram muito – com mudanças drásticas no comércio eletrônico em relação às lojas físicas.

Em resposta, os varejistas precisaram redistribuir seus sortimentos para atender à mudança na demanda do consumidor. Para alguns, isso significa encontrar novas fontes de bens para abastecer suas prateleiras. Também significou focar-se ainda mais nas vendas online. E, quando os varejistas começaram a reabrir suas lojas físicas, precisaram introduzir novos protocolos compatíveis com o Covid e organizar um tráfego mínimo para garantir o distanciamento social.

Quanto aos fabricantes, o fechamento das fronteiras exigiu que eles lutassem para garantir fontes alternativas locais de suprimentos. Em muitos casos, eles tiveram de reprojetar produtos com base nas variações na disponibilidade de matérias-primas. Ao mesmo tempo, eles estão respondendo a novos padrões de demanda. Tudo isso exigiu que os fabricantes executassem constantemente novos cenários e simulações de planejamento para prever melhor os resultados finais para clientes e consumidores.

Os recursos da resiliência

Para empresas de sucesso enfrentando a crise da Covid, vejo que aquelas com capacidade para planejamento de negócios integrado, logística flexível e comércio eletrônico se saíram bem.

  • Planejamento de negócios integrado (Integrated Business Planning)

A capacidade de fazer simulações rápidas com base em certas premissas ajuda as organizações a construir cenários de planejamento e a tomar decisões sábias. O aspecto “integrado” do planejamento de negócios também é importante. Com o acesso aos principais sistemas de negócios para ERP, por exemplo, os planejadores podem colaborar com mais eficácia com base em uma versão compartilhada da verdade entre as unidades de negócios e os parceiros da cadeia de suprimentos.

  • Logística flexível

Logística e transporte flexíveis foram igualmente críticos. Como os picos de demanda se concentram em certas áreas – como nas zonas urbanas – as empresas precisam reunir recursos de transporte e redirecionar rapidamente as transportadoras para atender à demanda onde ela está. Isso está ajudando as empresas da América Latina a oferecer experiências positivas aos clientes, apesar das interrupções.

  • Comércio eletrônico

À medida que mais e mais empresas na América Latina são forçadas a aderir ao comércio eletrônico, o planejamento de negócios integrado e a logística flexível têm desempenhado um papel importante. O comércio eletrônico requer planejamento e colaboração na cadeia de suprimentos. Os clientes mais exigentes querem visibilidade em cada passo do seu pedido. E embora o volume geralmente aumente nos cenários de comércio eletrônico, a logística se torna mais desafiadora. Em vez de entregar a granel para grandes pontos de venda, agora os fabricantes precisam entregar no “1:1” – levando a mercadoria até a porta do cliente que fez o pedido.

Agilidade em ação

Vi várias empresas intensificando resultados positivos em resposta à pandemia do coronavírus aqui na América Latina. Uma empresa, fabricante de papel higiênico – talvez o símbolo de uma mercadoria em falta – estava nos estágios de planejamento da adição de recursos de comércio eletrônico. Quando a crise chegou, no entanto, esta empresa acelerou o projeto e hoje está totalmente operacional com uma solução de comércio eletrônico. Esse tipo de resposta é parte do motivo pelo qual – em grande parte – os latino-americanos não viram a escassez deste item.

Outro exemplo é uma empresa que produz produtos de cuidados pessoais – como cremes e loções. Normalmente, essa empresa lança novos produtos a cada três semanas – dependendo de uma sofisticada cadeia de suprimentos regional e global para fornecer as matérias-primas que permitem inovar regularmente. Diante da nova realidades na cadeia de suprimentos, essa empresa revisitou rapidamente seus modelos de planejamento, encontrou novas fontes de materiais localmente e reformulou seus novos produtos para acomodar o que estava disponível.

A América Latina tem inúmeras histórias assim. A questão é que a agilidade está no coração da resiliência da cadeia de suprimentos. As empresas, em outras palavras, precisam de cadeias de suprimentos que se desdobrem, mas não quebrem. Essa é pelo menos uma chave para empresas que procuram sobreviver e prosperar na nova realidade do coronavírus.

Acompanhe mais informações nas redes sociais da SAP: Facebook Twitter LinkedIn Instagram / WhatsApp / Youtube

© 2020 SAP SE. All rights reserved. SAP and other SAP products and services mentioned herein as well as their respective logos are trademarks or registered trademarks of SAP SE in Germany and other countries. Please see http://www.sap.com/corporate-en/legal/copyright/index.epx#trademark for additional trademark information and notices.