Fundação Amazônia Sustentável usa tecnologia de dados da SAP para alavancar conservação ambiental e empreendedorismo na Amazônia

ONG será pioneira no mundo no uso de tecnologias SAP para a gestão de programas de sustentabilidade e transparência de dados
Nova etapa da parceria vai fomentar bioeconomia das comunidades ribeirinhas e indígenas
96.144 pessoas de 900 comunidades da região são beneficiadas pela parceria

A SAP e a Fundação Amazônia Sustentável (FAS) anunciam uma nova fase de colaboração para aprimorar gestão e transparência dos programas realizados pela FAS na região amazônica. O novo momento de transformação digital da ONG a coloca na vanguarda da adoção da tecnologia como apoio ao desenvolvimento sustentável, tornando-se a primeira do terceiro setor no mundo a adotar soluções da companhia para uso inteligente de dados com foco no aperfeiçoamento constante de suas iniciativas de sustentabilidade.

A nova etapa da parceria amplia o uso de tecnologia para conservação ambiental, empoderamento das comunidades ribeirinhas e indígenas, além do fomento ao empreendedorismo responsável em suas cadeias de bioeconomia. Para isso, a SAP está doando um pacote de inteligência de dados que roda na SAP Business Technology Platform, com SAP Data Warehouse Cloud, SAP Analytics Cloud e SAP Sustainability Control Tower.

As ferramentas vão endereçar desafios antigos da ONG em termos de logística e infraestrutura de acessibilidade digital na região. Via dashboards e relatórios analíticos, será possível mapear com muito mais profundidade e transparência a efetividade dos investimentos e recursos doados, o impacto social e ambiental, relacionar cada programa aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU de uma forma mais prática, entre outras facilidades. Isso vai otimizar a consolidação das informações coletadas em campo para fornecer uma visão histórica e única aos gestores e parceiros sobre a situação real de cada programa.

“O apoio que a FAS dá para as mais de 25 mil famílias beneficiadas espalhadas por mais de 900 comunidades, aldeias e bairros gera uma quantidade enorme de dados, que precisam ser consolidados, estruturados, validados e analisados. A adoção de ferramentas inteligentes não apenas elimina uma carga de trabalho considerável, como também dá mais transparência e segurança aos dados coletados”, explica Junior Freitas, vice-presidente de Business Technology Platform (BTP) da SAP Brasil. “Com dados de qualidade disponíveis em tempo real, os líderes de projetos poderão identificar melhores práticas, aumentar a eficiência dos programas e habilitar um audacioso plano de aumentar em 50% as ações de sustentabilidade nos próximos dois anos”.

“A gestão inteligente de dados permitirá que a FAS seja muito mais assertiva e eficiente na condução de seus programas. O que vai apoiar a gestão estratégica, a interlocução e integração entre áreas meio e fim, assegurando a qualidade da informação, a sistematização e disseminação do conhecimento das informações e das lições aprendidas”, avalia Michelle Costa, superintendente de gestão e planejamento da Fundação Amazônia Sustentável.

A evolução na prática

A ONG vinha utilizando o software SAP Lumira, doado pela SAP em 2015, para monitorar dados das comunidades atendidas na região, analisar tendências e relacionar informações sobre saúde, educação ou geração de renda das famílias apoiadas pelos seus programas. Com o passar do tempo, novos desafios surgiram. Entre eles a padronização de metodologias de coleta, sistematização e análise de dados de variadas fontes (digitais ou manuscritas) e a adaptação das ferramentas à realidade de atuação da FAS (longas distâncias via barco, falta de energia elétrica ou internet, por exemplo).

Além disso, integração de diferentes frentes de atuação, sinergia efetiva entre programas e setores, treinamento das equipes e consolidação dos processos de gestão eram outras questões a serem tratadas para desenvolver a gestão geral da entidade. A partir de agora, com as novas tecnologias, serão efetivamente assegurados os registros de forma digital (ainda que a alimentação dos dados seja feita apenas no retorno do time da ONG à sede em Manaus, após saída a campo).

E isso reflete em significativos avanços na organização e projeções de evolução contínua, coordenação das atividades, avaliação de impactos, qualidade da informação e visualização de dados de forma mais clara, didática, de fácil acesso. Ou seja, uma ampla base de dados para reportes em tempo real e para direcionar tomadas de decisão que valorizam a floresta em pé e sua biodiversidade, contribuindo com a conservação das culturas locais e melhoria da qualidade de vida da população.

“O uso da tecnologia e a transferência de conhecimento pro-bono para a ONG é o que de melhor a SAP pode fazer para aumento do impacto social e ambiental naquela região”, afirma Luciana Coen, diretora de Comunicação e Responsabilidade Social Corporativa da SAP Brasil.

Histórico da parceria entre SAP e FAS

Desde 2015, a SAP apoia um projeto de desenvolvimento sustentável e conservação da Amazônia em parceria com a FAS por meio da tecnologia, educação e empreendedorismo. O suporte da SAP às ações envolve doações de software, organização de voluntariado presencial ou virtual, consultoria, inclusão digital e mentoria a pequenos empreendedores de negócios sustentáveis – este último via incubadora da FAS e seu Programa de Empreendedorismo e Negócios Sustentáveis da Amazônia (PENSA).

Em Bauana, a 800 km de Manaus, a companhia apoiou um grupo de jovens na criação de uma Empresa de Base Comunitária (EBC Bauana) com doação de verba, mentoria e implementação do software SAP BusinessOne para gestão do modelo de negócio. Trata-se de uma iniciativa empreendedora que é responsável pela organização produtiva e beneficiamento de sementes de andiroba e murumuru para produção de óleo vegetal, que atualmente beneficia mais de 300 famílias.

Outros negócios apoiados pela incubadora da FAS nas comunidades ribeirinhas e indígenas também recebem apoio da SAP com voluntariado e investimento de capital semente: duas fábricas de farinha, cadeia produtiva do cacau, turismo de pesca esportiva, manejo do Pirarucu, pousada para turismo sustentável e restaurante de comidas indígenas. Em 2018, a incubadora recebeu mentoria de executivos da SAP para a escolha e priorização de projetos. Durante a pandemia, a empresa tem apoiado esses negócios na resolução de problemas e busca por novas fontes de renda envolvendo diretamente sua alta liderança, como uma sessão de design thinking altamente qualificada realizada presencialmente em março de 2022, em São Paulo, com cerca de 20 executivos SAP e três empreendedores que vieram da Amazônia para a ocasião.